Indicadores de desempenho dão um rumo para os empresários

Sabemos que é fundamental os empresários estarem acompanhando de perto seus negócios. Porém, mais do que ter um propósito (veja aqui) e ser autoconfiante na tomada de decisões (leia mais aqui), é importante que os gestores saibam quais são os indicadores de desempenho da empresa e como mensurá-los.

Afinal, ter uma gama de números e dados e não utilizá-los a seu favor é a mesma coisa que não ter. Esses indicadores não são somente telas de computador, planilhas ou gráficos, é um termômetro que analisa se a saúde da empresa está boa ou ruim. E com base nisso, permite que sejam tomadas decisões a tempo de corrigir eventuais problemas.

Apesar de os empresários considerarem que os indicadores de desempenho e a gestão empresarial são ferramentas importantes para a saúde de suas empresas, com frequência, esse gerenciamento é um processo de alto risco.  Por isso é fundamental entender como medir e buscar o desempenho operacional e financeiro.

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), grande parte das micro e pequenas empresas que morre nos primeiros dois anos de vida sofre deste mal: escolha incorreta dos indicadores de desempenho e/ou gestão empresarial deficiente. Mas como superar essa questão?

Para contribuir com o sucesso dos empresários, o buscou desenvolver uma cartilha (veja a versão completa aqui) que ajuda não só o seu público alvo – micro e pequenos empresários -, mas também gestores de outros níveis. Afinal, a gestão empresarial é a soma da “escolha dos indicadores de desempenho” mais a “reunião de análise e melhorias desses indicadores”.

jannoon028/Freepik

Mas afinal, o que são esses indicadores?

Conforme o Sebrae, o indicador de desempenho não é como qualquer outro indicador. Ele precisa estar orientado para a saúde operacional da empresa, ou seja, só se pode afirmar que um indicador é de desempenho quando ele melhorar e o resultado operacional da empresa também melhorar.

A sobrevivência das empresas, de um modo geral, depende do seu desempenho, da sua capacidade de competir no mercado e do seu resultado operacional. Para isso, o empresário precisa aprender a enxergar pela sua empresa, segundo três olhos: o do mercado/cliente, o do resultado operacional e o do processamento de produtos e serviços.

De uma forma mais clara, o primeiro é o olho é que garante e irá garantir o faturamento da sua empresa. A empresa precisa ter indicadores que mostrem o risco da falta de mercado ou de clientes, tanto hoje como no futuro. Se não houver vendas, qualquer custo operacional da empresa é alto. É o faturamento dos produtos vendidos que irá viabilizar o negócio.

O segundo é o olho que enxerga o resultado operacional da empresa. Apesar de o mercado ou de o cliente ser importante para qualquer empresa, ela só sobreviverá se apresentar resultado operacional. Se não houver, a empresa não conseguirá pagar seus compromissos e buscar o retorno do capital investido.

Já o terceiro é o olho que enxerga o tempo de processamento dos produtos e serviços. Ele é importante para o custo operacional e para o faturamento da empresa. Se ele estiver acima do valor previsto no cálculo do orçamento, a empresa poderá estar comprometendo o seu resultado operacional.

Com base na cartilha do Sebrae, reproduzimos alguns indicadores de desempenho e gestão empresarial, bem como sua forma de cálculo, a fim de que para que o empresário e os seus gestores possam aplicar em seus negócios. O contato com contadores e consultores pode contribuir ainda mais para o sucesso da empresa. Confira!

 

GRAU DE DEPENDÊNCIA

Fórmula de cálculo: dividir o total de faturamento com produtos e serviços de um determinado cliente pelo total de faturamento.

Principal aplicação: controlar e diminuir o grau de dependência da empresa com relação ao faturamento de um determinado cliente.

 

NOVOS CLIENTES

Fórmula de cálculo: número de novos clientes que conquistou no mês.

Principal aplicação: controlar o número de novos clientes que participam do faturamento da empresa no mês atual. Possui aplicação também na redução do grau de dependência de um determinado cliente no faturamento.

 

GASTO GERAL DE FABRICAÇÃO

Fórmula de cálculo: dividir o gasto geral de fabricação pelo faturamento total.

Principal aplicação: controlar o gasto geral de fabricação ou controlar qual a participação do gasto geral de fabricação no faturamento total.

 

AUMENTO DO FATURAMENTO

Fórmula de cálculo: dividir o faturamento geral do mês atual pelo faturamento geral do mês anterior.

Principal aplicação: controlar o percentual do aumento de faturamento.

 

QUALIDADE

Fórmula de cálculo: dividir o total de produtos ou serviços produzidos com defeitos pelo total de produtos ou serviços produzidos.

Principal aplicação: controlar o índice de qualidade dos produtos ou serviços produzidos.

 

LUCRO LÍQUIDO OPERACIONAL

Fórmula de cálculo: diminuir o faturamento total líquido pelos gastos gerais.

Principal aplicação: controlar o lucro líquido.

 

RESULTADO OPERACIONAL

Fórmula de cálculo: dividir o lucro líquido operacional (faturamento total menos gastos gerais) pelo ativo total.

Principal aplicação: controlar o Retorno Sobre o Investimento (RSI) ou controlar quanto cada real investido retorna para a empresa ou empresário.

 

EFICIÊNCIA COMERCIAL

Fórmula de cálculo: dividir o total de orçamentos aprovados pelos clientes pelo total de orçamentos elaborados e enviados para os clientes.

Principal aplicação: controlar a taxa de eficiência de conversão dos orçamentos elaborados e enviados. Controlar também a qualidade da elaboração dos orçamentos.

 

Gostou do conteúdo? Cadastre-se ao lado e recebe atualizações em primeira mão!

 

Com informações:

Ter propósito na empresa é fundamental

Empresário precisa ter autoconfiança para tomar decisões

Cartilha Indicadores de desempenho e gestão empresarial

Indicadores de desempenho e gestão empresarial

Dartagnan Costa

Advogado OAB/RS 72.784 Diretor na empresa Dartagnan & Stein Sociedade de Advogados, atuando no mercado do Rio Grande do Sul. Bacharel e Mestre em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul Especialista em Direito Tributário pela Universidade Cândido Mendes Especialista em Direito Empresarial do Trabalho pela Universidade Cidade de São Paulo MBA em Direito da Economia e da Empresa pela Fundação Getúlio Vargas

Deixe uma resposta