Como contratar um novo funcionário?

Chega um determinado período em que se torna necessário contratar novos funcionários, seja porque um pediu demissão, foi remanejado para outro setor ou mesmo a demanda da empresa cresceu e a produção aumentou. Mas como escolher uma nova pessoa para atuar no seu negócio?

Com certeza essa não é uma tarefa fácil. Seja pela escolha do perfil do profissional, idade, qualificação, quanto pelo período em que a empresa está passando. Afinal, pode não ser um período bom, mas a contratação de um novo funcionário é fundamental para o bom andamento da empresa.

katemangostar/Freepik

Está na hora de contratar?

Para saber se é um bom momento para contratar novos colaboradores, o Portal Administradores, juntamente com o coach Marcus Marques fez um check-list com dez perguntas que o empresário deve responder para avaliar a real necessidade de contratar um profissional.

  1. Sua empresa está estruturada financeiramente para aumentar o custo fixo da folha de pagamento? Pontos a considerar: o custo de contratação de um funcionário no Brasil pode ultrapassar os 60% do salário em questão, a depender do regime tributário da empresa.
  2. Esse novo funcionário contribuirá para o crescimento efetivo do seu negócio? Pontos a considerar: a contratação de um novo funcionário deve fazer parte do objetivo estratégico da empresa e não apenas “apagar um incêndio” (quando você não está dando conta do volume de trabalho, por exemplo).
  3. Existe uma demanda real e de longo prazo que justifique essa contratação? Pontos a considerar: não dá para contratar alguém fixo e em tempo integral por causa de um aumento temporário da demanda dos clientes.
  4. Você tem certeza de que essa necessidade empresarial está diretamente relacionada à contratação de um novo funcionário? Pontos a considerar: Pessoas + Processos = Resultados. Sua empresa precisa de mais um profissional ou os processos é que devem ser rearranjados (implantação de um novo software, reorganização da equipe etc.)?
  5. Está claro para você quais são as habilidades e expertise que esse novo funcionário deve aportar na empresa? Pontos a considerar: antes de pensar em contratar, é preciso ter claro o perfil profissional que agregaria valor para a empresa.
  6. Você já considerou a hipótese de terceirizar essa demanda específica, buscando inteligência externa para resolver o problema? Pontos a considerar: contar com uma ajuda pontual externa, além de ser muito mais barato, reduz dramaticamente o risco de uma contratação malfeita.
  7. Essa nova contratação vai desenvolver um trabalho que você ou alguém da equipe não pode executar e/ou aprender? Pontos a considerar: é sempre tempo de desenvolver suas próprias habilidades e expertise, portanto vale sempre a pena considerar essa hipótese.
  8. Você tem percebido problemas na qualidade da entrega e do atendimento de sua empresa que justifiquem a contratação? Pontos a considerar: esse é um bom termômetro e é sempre bom ouvir o que os stakeholder têm a dizer sobre a qualidade de entrega e atendimento.
  9. A estrutura física atual de sua empresa (espaço, mesa, computador) está preparada para receber esse novo funcionário? Pontos a considerar: é sempre importante lembrar que a contratação de um funcionário não representa aumento de custos apenas por seu salário e encargos. É preciso oferecer estrutura física adequada para receber este profissional.
  10. Você já considerou e refletiu, de maneira aprofundada, sobre o que aconteceria em sua empresa se você não fizesse essa contratação? Pontos a considerar: este é um bom exercício para entender se a não contratação seria realmente sentida pela empresa.

Resultados do checklist:

7-10 pontos: é hora de contratar: Se você deu check em pelo menos sete perguntas, significa que sua empresa está mesmo na hora de contratar um novo funcionário.

4-6 pontos: talvez ainda dê para esperar: Há algumas evidências claras de que sua empresa precisa de um novo funcionário, mas talvez ainda não seja a hora de optar por esse caminho.

0-3 pontos: busque alternativas: Não é necessário contratar alguém ainda. Sua empresa está em ascensão, mas ainda há alternativas melhores para suprir a demanda e é sempre bom poder contar com uma ajuda externa, não é mesmo?

yanalya/Freepik

Tipos de recrutamento

Agora que você já sabe que deve contratar um novo funcionário, que tipo de recrutamento você vai optar? Afinal, o mercado de trabalho mudou e essa área também precisou evoluir. Reproduzimos abaixo as formas de recrutamento, apresentadas pelo coach José Roberto Marques, do Portal IBC. Escolha a melhor para o seu negócio!

Interno

Como o próprio nome já delata, o recrutamento interno é feito dentro da própria empresa. Sabe aquele colaborador que tem um enorme potencial de crescimento dentro de uma empresa? Então, esse tipo de colaborador passa por uma nova entrevista para que seja feita toda uma análise e ele consiga mudar de cargo e assuma uma nova ocupação dentro da empresa. Quer saber uma vantagem de usar o recrutamento interno? Ele causa motivação nos funcionários da empresa e o custo é muito menor.

Externo

Esse tipo de recrutamento é voltado para os profissionais que estão fora da empresa, e que estão disponíveis para iniciar uma nova caminhada de trabalho. Nesse processo, é divulgada a vaga em diversos meios de comunicação, como jornais, redes sociais e até mesmo nos programas de TV. Uma das vantagens em aplicar o tipo de recrutamento externo está na entrada de novos talentos na empresa, contudo, o tempo que pode levar esse processo pode ser um tanto desgastante. É importante pensar bastante antes de definir qual o melhor tipo de recrutamento.

Misto

Nessa versão de recrutamento, é possível misturar literalmente as duas opções mencionadas anteriormente, ou seja, é feito uma mistura entre recrutamento interno e externo, mas como isso acontece? Bom, o que muda no processo de recrutamento é somente o local onde a vaga será divulgada, ou seja, se antes uma vaga de recrutamento interno era divulgada apenas dentro da empresa, e se uma vaga de recrutamento externo era divulgada apenas fora da empresa, para o recrutamento misto, a vaga será divulgada nos dois ambientes, interno e externo.

Os candidatos terão as mesmas chances para conquistar a vaga anunciada, entretanto, no recrutamento misto, os candidatos internos serão os primeiros entrevistados, posteriormente os candidatos das vagas externas terão sua vez. Quer saber quais as vantagens desse tipo de recrutamento? A flexibilidade de candidatos e de habilidades, uma desvantagem pode ser o custo para realizar essa operação.

Online

Como se pode imaginar, o recrutamento online ocorre diretamente pela internet. Muitas empresas optam por esse modelo de recrutamento por conta dos custos menores e também por conta da agilidade do processo, contudo, a quantidade de candidatos pode ser um ponto negativo para a empresa que opta por esse tipo de recrutamento.

Por Indicação ou Por QI (“quem indica”)

Outra forma bastante comum que as empresas costumam trabalhar, é com o recrutamento de indicação. Ou seja, o anúncio é feito internamente, e diretamente para pessoas que estão próximas a realidade da empresa, mas também para pessoas que tenham condições de indicar outras pessoas que tenham verdadeiramente os quesitos que a vaga pede.

Uma vantagem desse tipo de recrutamento é o baixo custo e a agilidade no processo, entretanto, uma desvantagem é quando um colaborador indica uma pessoa por afinidade e não por competência, por isso, mesmo sendo uma “contratação” por indicação, vale a pena fazer uma breve entrevista com o candidato para conhecê-lo e saber de fato quem é essa pessoa e quais suas habilidades.

 

Cadastre-se ao lado e receba nossas atualizações em primeira mão!

 

Com informações:

Saiba quais os tipos de recrutamento mais utilizados e qual o mais indicado o seu negócio

Como reconhecer a hora exata de contratar um novo funcionário?

Dartagnan Costa

Advogado OAB/RS 72.784 Diretor na empresa Dartagnan & Stein Sociedade de Advogados, atuando no Estado do Rio Grande do Sul. Bacharel e Mestre em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul Especialista em Direito Tributário pela Universidade Cândido Mendes Especialista em Direito Empresarial do Trabalho pela Universidade Cidade de São Paulo MBA em Direito da Economia e da Empresa pela Fundação Getúlio Vargas

Deixe uma resposta