Foro privilegiado: hoje um instrumento da corrupção

O projeto Supremo em Números, da Fundação Getúlio Vargas – Direito, mostra que de janeiro de 2011 a março de 2016, apenas 5,8% das decisões em inquéritos perante o Supremo Tribunal Federal foram desfavoráveis aos investigados, com a consequente abertura de ação penal.

Ainda, de quebra, a condenação de réus é inferior a 1%. Ou seja, o Supremo é um local “fecundo” para extinção da punibilidade de certos réus, notadamente os membros da classe política. Leia Mais